contato


Menu.

EXPOSIÇÕES / 28.08.2017

Desenhando com os gênios da MPB



Para a abertura, de 23/08 a 03/09, acontece a primeira exposição do projeto, que homenageará o músico Gilberto Gil. Os artistas que irão se inspirar em obras do cantor e compositor, serão os artistas plásticos Eduardo Bittencourt e Marcelo Lopes.

A ideia, segundo Soraya Pericoco, organizadora do evento, “é escolher 20 músicas representativas da trajetória de cada artista, e os desenhistas ou pintores se inspirarem na mensagem que cada uma lhe transmite”.

As músicas de Gilberto Gil que servirão para inspirar o artista plástico Eduardo Bittencourt são: Aquele Abraço; Toda menina baiana; Andar com Fé; A Novidade; Estrela; A Paz; Qui nem jiló; Esotérico; Parabolicamará; e Sítio Do Pica-pau Amarelo.

As músicas inspiração para as telas do artista Marcelo Lopes são: Drão, Se eu quiser falar com Deus, Nos barracos da cidade, Esperando na janela, Eu vim da Bahia, Haiti, Filhos de Ganhi, Vamos fugir, Domingo no Parque e Tenho sede.

Gênios homenageados

Os artistas plásticos, desenhistas ou cartunistas, serão convidados de acordo com o perfil dos gênios musicais.

Serão homenageados no projeto: agosto-Gilberto Gil; setembro-Caetano Veloso; outubro-Zé Ramalho; novembro-Milton Nascimento; dezembro-Rita Lee; janeiro-Tom Jobim; fevereiro-Martinho da Vila; março-Elis Regina; abril-Raul Seixas; maio-Tim Maia; junho-Chico Buarque e julho-Cazuza.

As exposições ficarão registradas em ebooks mensais que farão parte do Acervo Digital dos eventos do Riopreto Shopping Cultural. Além da exposição, estão programadas algumas oficinas conjuntas em alguns meses, como janeiro e fevereiro.



Gilberto Gil

A carreira de Gilberto Passos Gil Moreira começou no acordeom, ainda nos anos 50. Inspirado por Luiz Gonzaga, pelo som do rádio, pelas procissões na porta de casa.

Em 1963 ao conhecer Caetano Veloso, na Universidade da Bahia, Gil inicia uma parceria e um movimento que contempla e internacionaliza a música, o cinema, as artes plásticas, o teatro e toda a arte brasileira. A chamada tropicália, ou movimento tropicalista, envolve artistas talentosos e plurais como Gal Costa, Tom Zé, Rogério Duprat, José Capinam, Torquato Neto, Rogério Duarte, Nara Leão entre outros.

O exílio em Londres contribui para a influência ainda maior dos Beatles, Jimmi Hendrix e todo o mundo pop que despontava na época, na obra de Gil, que grava inclusive um disco em Londres, com canções em português e inglês.

Ao retornar ao Brasil, Gil dá continuidade a uma rica produção fonográfica, que dura até os dias de hoje. Já são mais de 60 discos/CDs, alguns deles feitos em parceria.

Em 2015 e 2016 celebrou com Caetano Veloso os 50 anos de carreira em um show histórico - Dois Amigos, Um Século de Música - registrado em CD e DVD.



Discografia

1963 - Salvador - 1962/1963

1967 - Louvação

1968 - Tropicalia ou Panis et Circencis - (com Caetano Veloso, Gal Costa, Os Mutantes, Torquato Neto, Tom Zé, Nara Leão e Rogério Duprat)

1968 - Gilberto Gil

1969 - Gilberto Gil

1970 - Copacabana Mon Amour (trilha sonora)

1971 - Gilberto Gil

1972 - Barra 69 - Caetano e Gil Ao Vivo na Bahia

1972 - Expresso 2222

1974 - Cidade Do Salvador

1974 - Ao Vivo

1975 - Refazenda

1975 - Gil & Jorge - Ogum - Xangô

1977 - Refavela

1977 - Refestança

1978 - Ao Vivo em Montreux

1979 - Nightingale

1979 - Realce

1981 - Brasil

1981 - Luar (A Gente Precisa Ver o Luar)

1982 - Um Banda Um

1983 - Extra [WEA Latina]

1984 - Quilombo (trilha sonora)

1984 - Raça Humana

1985 - Dia Dorim Noite Neon

1987 - Em Concerto

1987 - Um Trem para as Estrelas (trilha sonora)

1988 - Ao Vivo em Tóquio (Live in Tokyo)

1989 - O Eterno Deus Mu Dança

1991 - Parabolicamará

1994 - Acústico MTV

1995 - Esotérico: Live in USA 1994

1995 - Oriente: Live in Tokyo

1996 - Em Concerto

1996 - Luar

1997 - Indigo Blue

1997 - Quanta

1998 - Ao Vivo em Tóquio (Live in Tokyo) [Braziloid]

1998 - O Sol de Oslo

1998 - O Viramundo (Ao Vivo)

1998 - Quanta Gente Veio Ver

1998 - Ensaio Geral (caixa com gravações de 1967 a 1977)

2000 - Me, You, Them

2001 - Milton e Gil

2001 - São João Vivo

2002 - Kaya N'Gan Daya

2002 - Quanta Live

2002 - Z: 300 Anos de Zumbi

2004 - Eletrácustico

2005 - Ao Vivo

2005 - As Canções de Eu, Tu, Eles

2005 - Soul of Brazil

2006 - Gil Luminoso

2006 - Rhythms of Bahia

2008 - Banda Larga Cordel

2009 – Banda Dois - Ao Vivo

2010 - Fé na Festa

2010 - Fé na Festa: Ao Vivo

2011 - Gil + 10: Gilberto Gil Convida ao Vivo

2012 - Concerto de cordas e Maquinas de Ritmo

2012 - Ivete, Gil e Caetano (com Ivete Sangalo e Caetano Veloso)

2014 - Gilbertos Samba

2014 - Live in London '71 - (com Gal Costa)

2015 - Dois Amigos, um Século de Música



Músicas

Em 50 anos de carreira Gilberto Gil compôs e gravou mais de 500 músicas, entre as mais conhecidas do grande público estão: Aquele Abraço; Toda menina baiana; Andar com Fé; A Novidade; Estrela; A Paz; Qui nem jiló; Esotérico; Parabolicamará; Sítio Do Pica-pau Amarelo; Expresso 2222; Palco; Realce; Tempo Rei; Não Chore Mais; De noite na cama;Drão, Se eu quiser falar com Deus, Nos barracos da cidade, Esperando na janela, Eu vim da Bahia, Haiti, Filhos de Ganhi, Vamos fugir, Domingo no Parque e Tenho sede.



Sobre os artistas plásticos

que se inspiraram na obra de Gilberto Gil



Eduardo Bittencourt

As músicas de Gilberto Gil que serviram de inspiração para o artista plástico Eduardo Bittencourt são: Aquele Abraço; Toda menina bahiana; Andar com Fé; A Novidade; Estrela; A Paz; Qui nem jiló; Esotérico; Parabolicamará; e Sítio Do Pica-pau Amarelo.

Eduardo iniciou no mundo da arte em 2015, no Rio de Janeiro, onde foi apontado como revelação em seu estilo pop art/grafit com a exposição MADE IN RIO.

Atualmente mora em São José do Rio Preto e traz em seu currículo 16 exposições solos e cinco coletivas, com mais de 400 obras catalogadas e vendidas no Brasil e em países como Grécia, Itália, Estados Unidos, Argentina, África do Sul, França e Inglaterra. Além de parcerias com galerias de arte de São Paulo e Rio de Janeiro.

Eduardo já ilustrou capas de revistas, jornais e tem um livro com 20 páginas destacando suas obras. Lançou uma linha de móveis, FASHION MOBILE, e duas séries de esculturas: SALTO em 2016 e SONHOS em 2017.

Marcelo Lopes

As músicas inspiração para as telas do artista Marcelo Lopes são: Drão, Se eu quiser falar com Deus, Nos barracos da cidade, Esperando na janela, Eu vim da Bahia, Haiti, Filhos de Ganhi, Vamos fugir, Domingo no Parque e Tenho sede.

Voltar a listagem.

VOLTAR A LISTAGEM

Riopreto Shopping Center